terça-feira, 23 de junho de 2015

LAVA JATO/MPF PEDE AOS EUA PARA AGIREM CONTRA A MAIOR EMPRESA BRASILEIRA




BRASIL PEDE APOIO AOS EUA CONTRA SUA MAIOR EMPRESA

"Segundo informa o jornal [autodeclarado tucano] "O Estado de S. Paulo", o Ministério Público Federal que atua na "Operação Lava Jato" decidiu pedir ajuda aos Estados Unidos, "onde está a mais eficiente rede de combate à corrupção do mundo", para investigar a Odebrecht, maior exportadora de serviços do País, com mais de 100 mil empregados.


Preso pelo juiz Sergio Moro, o presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, iniciou sua carreira nos Estados Unidos, onde a empresa construiu obras importantes, como o Aeroporto de Miami, deslocando concorrentes norte-americanos.

Barack Obama agradece, até porque jamais pediria a outro país para levantar provas contra empresas americanas, como a "Halliburton", que foi uma das financiadoras [e usufruidoras] da invasão ao Iraque.

Do "Brasil 247"

O Ministério Público Federal quer ajuda de autoridades norte-americanas para investigar a maior empresa brasileira. É essa a manchete de segunda-feira do jornal [autodeclarado tucano] "Estado de S. Paulo", que defende o apoio formal dos Estados Unidos à "Lava Jato", [país] onde, segundo a publicação, está a "mais eficiente rede de combate à corrupção do mundo".

Uma investigação norte-americana contra a Odebrecht, que atua com êxito nos Estados Unidos há vários anos, pode ter efeitos devastadores para a companhia. Foi lá, por exemplo, que Marcelo Odebrecht, preso pelo juiz Sergio Moro na décima-quarta fase da Lava Jato, iniciou sua carreira, participando das obras do Aeroporto de Miami.

Caso seja carimbada como empresa corruptora, a Odebrecht pode ser afastada de licitações nos Estados Unidos e em outros países – o que já vem sendo tentado há vários anos por autoridades estadunidenses. Em 2012, por exemplo, um juiz da Flórida tentou impor sanções a empresas com atuação em Cuba e na Síria – era uma forma de impedir que a Odebrecht atuasse em Miami, tomando o espaço de construtoras norte-americanas.

Nesse último fim de semana, a "Associação de Comércio Exterior do Brasil" e a "Associação Brasileira da Indústria de Base" publicaram manifesto nos jornais, defendendo a atuação dos exportadores de serviços. Segundo a nota, o financiamento às exportações de serviços pelo BNDES, que tem a Odebrecht como protagonista, garantem 1,2 milhão de empregos no Brasil, na cadeia produtiva do setor de engenharia.

Destruir o Brasil antes de destruir o PT

No entanto, setores da direita brasileira hoje consideram que, para destruir o PT, vale até destruir o Brasil. Já entraram em recuperação judicial três alvos da Lava Jato: OAS, Galvão Engenharia e Alumini. A Queiroz Galvão ameaçou parar as obras da Rio 2016 e a Mendes Júnior colocou em marcha lenta a execução do Rodoanel. A UTC Constran, por sua vez, demitiu um terço dos seus empregados. Agora, com Odebrecht e Andrade Gutierrez na mira, duas empresas que serão rebaixadas pela Moody's, todas as obras do setor elétrico ficam ameaçadas.

Com a ação contra a Odebrecht no exterior, as obras executadas por empresas brasileiras em outros países também ficam ameaçadas, colocando em risco, inclusive, um importante avanço geopolítico conquistado pelo Brasil nos últimos anos. Segundo a revista norte-americana "Foreign Affairs", bíblia da geopolítica internacional, o Brasil se tornou um "global player" nos últimos anos, graças às posições conquistadas na África e na América Latina por suas construtoras (leia mais aqui).

O presidente americano Barack Obama agradece, até porque jamais pediria ajuda a outros países para investigar as práticas de empresas americanas como a "Halliburton", que financiou a campanha de invasão ao Iraque para, depois de destruí-lo, reconstruí-lo."

FONTE: do "Brasil 247"  (http://www.brasil247.com/pt/247/economia/185830/Brasil-pede-apoio-aos-EUA-contra-sua-maior-empresa.htm).

4 comentários:

iurikorolev disse...

O problema é que a Odebrecht rouba (corrompe) mais aqui no Brasil do que lá fora.

Tereza Braga disse...

Ao Iurikorolev,
Seu comentário refere-se a termos absolutos ou relativos ao volume de obras? Ou é o tradicional sentimento da classe média e rica brasileira de que nos EUA e "lá fora" sempre é melhor? Tenho dúvidas. Não sei se a Odebrecht corrompeu mais no Brasil do que a Alstom, a Siemens, a Rayton e também as outras multinacionais que se refastelaram corrompendo na privataria dos anos 90.
Maria Tereza

iurikorolev disse...

De fato.
Infelizmente o Brasil ainda é "casa da mãe joana".
Dê uma olhada no valor superfaturado da COMPERJ e na refinaria de Pernambuco.
Esse nivel de sobrepreço só existe aqui.
Abrs

Tereza Braga disse...

Ao Iurikorolev,
Realmente, no Brasil a ganância e a ladroagem são imensas. O roubo de dinheiro público (de impostos sonegados) perpetrado especialmente pela classe média e pelos ricos, é gigantesco. Vai desde o médico, dentista, advogado, fisioterapeuta, engenheiro, profissionais liberais em geral, que não dão nota fiscal, nem possibilitam às vítimas deduções do imposto de renda, bem como abrange pequenos e grandes comerciantes, empresas que subfaturam exportações e sobrefaturam importações, Grupos de Comunicação que inventam manobras fraudulentas com paraísos fiscais, até Juízes de altos tribunais que inventam empresas fantasmas, enfim, ladrões fraudadores de impostos por meio de muitos "artifícios" (crimes). Segundo o Sindicato dos Procuradores da Fazenda Nacional, esse roubo, somente no ano passado, foi superior a R$ 500 bilhões!!! O roubo acumulado ultrapassa trilhões! Você tem razão. Esse "sobrepreço" (eufemismo) fica impune. Todos os dias vemos na TV e nos jornais e revistas esses corruptos desfilando de honestos e hipocritamente revoltados com a "corrupção". Realmente, essa tragédia só existe aqui.
Maria Tereza