terça-feira, 22 de maio de 2012

NOSSOS DADOS PESSOAIS ENRIQUECEM GIGANTES DIGITAIS


Artigo de Eduardo Febbro, de Paris

“Qual é o terceiro país do mundo em população e o que mais espia seus cidadãos? A resposta cabe em um território virtual: Facebook. Com seus 900 milhões de usuários registrados, se o Facebook fosse um país seria o terceiro do mundo, logo depois da China (1,34 bilhões) e da Índia (1.17 bilhões de habitantes). Esta demografia virtual faz do Facebook um território de participação voluntária no qual os usuários entregam sua intimidade com toda inocência sem ter plena consciência do quanto estão se expondo nem do gigantesco capital que os usuários estão aportando à empresa fundada por Marc Zuckerberg.


Criado há apenas oito anos, o Facebook tem valor estimado em Bolsa de 104 bilhões de dólares. É maior que a Amazon (98 bilhões), vale quase três vezes mais que a Ford Motors (38 bilhões de dólares), porém menos que o Google (203 bilhões) e a Apple (495 bilhões).

Do mesmo modo que Google e outros gigantes da rede, Facebook deixou de ser a simpática “startup” criada no campus de Harvard. É um predador de dados, um aspirador universal de publicidade, um autêntico serviço de inteligência que se serve de cada informação deixada pelos usuários para fazer dinheiro com ela.

Todas as cifras relacionadas ao Facebook são imperiais: com 169 milhões de usuários, os Estados Unidos contam com o maior número de membros. Em segundo lugar vem a Índia com 51 milhões, o Brasil com 45 milhões e o México com 20. Mais de 300 milhões de fotos são publicadas a cada dia no Facebook e cerca de 500 milhões de pessoas acessam a rede social utilizando dispositivos móveis. No entanto, o qualificativo de “rede social” está longe de coincidir com a realidade. Como observa Archippe Yepmou, presidente da associação “Internet sem fronteiras” (ISF)  (http://www.internetsansfrontieres.com/), o valor do Facebook na bolsa “repousa no abuso de nosso direito ao controle de nossos dados pessoais”.

O peso do Facebook é proporcional ao grau de intimidade que revelamos com nossas conexões. Facebook e Google se apoiam quase no mesmo modelo econômico: quanto mais se sabe sobre os gostos e inclinações dos usuários, mais dinheiro pode-se fazer com esses dados sem que o usuário tenha dado sua permissão para tanto. É nesse contexto que a associação “Internet sem Fronteiras” propõe a criação de um “e-sindicato”, com o objetivo de defender os direitos dos usuários do Facebook e de outros mastodontes digitais que espiam cada um de nossos clics para convertê-los em ouro.

Antonin Moulart, membro da associação, diz que “a ideia de um sindicato eletrônico aponta para o estabelecimento de uma relação de força com a empresa do senhor Zuckerberg para que ele entenda que temos direito a decidir sobre nossas informações pessoais”. O paradoxo Facebook é imenso: tornou-se uma ferramenta de intercâmbio com alcance planetário, mas sua aparente inocência atrai adeptos que prestam voluntariamente a uma violação impensável de sua vida privada.

Archippe Yepmou revela, por exemplo, que “nossas agendas são scaneadas pelo Facebooh através do nosso telefone celular e de nosso correio eletrônico". A empresa procede também a uma identificação biométrica que permite ao Facebook reconhecer logos e rostos das fotos sem que o contribuinte tenha dado sua autorização explícita para isso. A ideia do “e-sindicato” quer impor um mediador entre as pessoas e esse roubo da intimidade. A solução mais simples seria não se inscrever no Facebook, mas sua necessidade, real ou imaginária, já é um fato consumado. Nesse sentido, a associação “Internet sem Fronteiras” reconhece que “a posição monopólica do Facebook fez da empresa um espaço de socialização obrigatório para toda ou uma parte da população”. Ingressamos nesse espaço virtual-social como ovelhas pacíficas enquanto o lobo estava à espreita.

Reparar o erro requer consciência universal do valor estratégico e comercial de nossos dados pessoais assim como de nosso direito de nos opor a que sejam comercializados. Mas essa consciência está longe, muito longe de ter sido formada. A capitalização dos dados pessoais está perfeitamente quantificada no valor do Facebook. Não são suas máquinas ou seu programa a fonte de sua riqueza, mas sim nossa intimidade. O ingresso do Facebook na bolsa inaugura outra fase perigosa: “o modelo econômico da empresa baseado na exploração comercial da vida privada vai empurrar o Facebook em outra direção ainda mais intrusiva e ameaçadora da liberdade”, diz a ISF. O Facebook é um autêntico estômago de dados cujo destino, em grande parte, desconhecemos.

O contra-poder frente o Facebook e outros sugadores de dados planetários existe: é, por enquanto, tímido, mas real. “Eletronic Frontier Foundation”, “Internet sem Fronteiras”, a muito oficial CNIL (“Comissão Nacional de Informática e Liberdades”, da França), o “Controlador Europeu de Proteção de Dados” (CEPD), o “Europa versus Facebook”, são alguns dos organismos oficiais ou não governamentais que discutem a maneira de construir um muro legal entre os cidadãos e empresas como Facebook ou Google, que lucram com nossa vida. Serão necessários, porém, muitos anos para que os usuários passem à ação e tomem consciência dos níveis de exposição a que estão submetidos quando, sem nenhuma garantia de privacidade, sobem uma foto, manifestam um gosto musical ou a preferência por uma ou outra marca.”

FONTE: artigo de Eduardo Febbro, de Paris, publicado no site “Carta Maior” com tradução de Katarina Peixoto  (http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20184) [Imagem do google adicionada por este blog ‘democracia&política’].

4 comentários:

Anônimo disse...

Olá... O Facebook é a maior falácia da história do boom da Internet...
Não é à toa que o valor das acções já vai em 31$!!!
A principal fonte de receita desta rede são os anúncios... Mas já há gigantes a desistir de anunciar no facebook porque já chegaram à conclusão de que "não cria o número previsto de novos clientes!"

Quanto a bolha rebentar a Facebook será vaporizada na Bolsa... é apenas uma questão de tempo e não muito...

De resto a questão dos dados pessoais não preocupa ninguém (pelo menos os +- 900 milhões de cromos!)

Nunca tive conta no facebook como "pessoa" apenas como bloger mas apaguei tudo antes de encerrar, mas, provavelmente algo ainda deve andar por lá nos servidores da bicharada! E terminei por questões ambientais... e até fiz um selo

Abraço

Política disse...

"otempoquehadevir",
Os anúncios, além de tudo, são direcionados para o seu específico perfil depreendido pelo software do Facebook em função das informações que você coloca. No somatório de erros e acertos, eles ganham nuito.
Na minha opinião, você fez bem em sair. Cada caso é um caso, mas, julguei que, para mim, o benefício não compensava a tremenda exposição e servidão. O fato de serem 900 milhões não dá segurança. O mundo tem bilhões de pessoas. Nem por isso, você coloca seus dados visíveis com facilidade de acesso por qualquer terceiro.
Maria Tereza

Anônimo disse...

A realidade é que, para não variar, tudo foi cozinhado pela Família Goldman Sachs, não sei se já sabe ou já leu algo sobre as Famílias que nos Controlam, se ainda não então este breve esquema mostra quem são e como fazem!

Mas voltando ao querido Facebook...


"Goldman Sachs Group Inc. clients considering whether to buy shares in closely held Facebook Inc. should take heed: Wall Street’s most profitable securities firm could unload its own holdings without letting them know. In the last sentence of a one-page investment profile sent to private wealth clients, the firm explains: “GS Group may at any time further reduce its exposure to its investment in Facebook (through hedging arrangements, sales or otherwise), without notice to the fund or investors in the fund.”... “There may be conflicts of interest relating to the underlying investments of the fund and Goldman Sachs,” according to the Facebook offering document’s disclosures section. Material in the documents “is not guaranteed as to accuracy or completeness.”

Toda esta fraude foi cozinhada ao pormenor... E o Facebook tinha que ter para aí uns 2.000 milhões de utilizadores registados para "valer o que vale"

E pouco importa o código que o Facebook utiliza para espetar com anúncios aos utilizadores... O importante é que as Empresas que lá despejam fortunas já começam a ver que aquilo não dá o retorno desejado e vão iniciar o corte... E Pronto... caldo entornado

voz a 0 db
Abraço

Política disse...

"otempoquehadevir",
Você trouxe interessantes informações que aumentam nosso conhecimento sobre o tema. Obrigada.
Eu não sou contra o Facebook. Reconheço que presta serviço que atende necessidade social. É prova o grande e crescente nº de utilizadores. Sou contra, porém, a apropriação e utilização dos dados dos clientes para outros fins que não foram claramente por eles autorizados. Tem que haver regulação legal sobre isso.
Maria Tereza