quinta-feira, 10 de março de 2016

O MORTÍFERO TUBARÃO MORO




Moro é como tubarão: primeiro morde, e, se percebe sangue e fraqueza, ele mata 

Por Davis Sena Filho, editor do blog "Palavra Livre"

"Eu fico aqui a pensar com os meus botões: mas que raios de Justiça é esta que temos? E o Ministério Público, que papelão é este? 


É duro para uma pessoa com mais de cinco séculos de vida verificar e se certificar que o Brasil oficial, especificamente o Supremo Tribunal Federal (STF), calaram-se e não agiram, como se temessem seja o que for, como se fossem cúmplices dos mandos e desmandos judiciários e político-partidários do juiz federal de primeira instância, Sérgio Moro. Tal magistrado, mais do que o último presidente da ditadura militar, general João Figueiredo, tornou-se o juiz que realmente prende e arrebenta e ainda tem o apoio da imprensa mais corrupta, covarde e golpista do planeta, liderada pelas "Organizações(?) Globo".

Aliás, diga-se de passagem, o juiz Moro, cujo pai é fundador do PSDB de Maringá, além de sua esposa ter sido vinculada profissionalmente ao partido dos tucanos no Paraná, quando prestou assessoria jurídica, bem como seu escritório realizou serviços à Shell, poderosa petrolífera que concorre com a Petrobras, sabe da força do PT quando se trata de eleições presidenciais. O magistrado causa a impressão de forçar a barra para que o PSDB e seu aliado, a imprensa de negócios privados dos magnatas bilionários, sejam favorecidos com seus atos e suas ações judiciais, de forma que se transformem em material político para ser usado nas manchetes do sistema midiático privado e nas tribunas do Congresso Nacional por tucanos golpistas liderados pelo inconsequente playboy Aécio Neves.

Como pode o Brasil ficar refém de grupelhos de direita que se consideram donos do Brasil e, com efeito, tratam de rasgar a Constituição, atropelar o Estado de Direito e mandar às favas a democracia conquistada a ferro e fogo por inúmeras gerações, cujos militantes políticos foram perseguidos, presos, torturados, mutilados e mortos, além de exilados. Muitos pagaram também com demissões sumárias no serviço público e privado, a exemplo de juristas, magistrados do STF, militares, oficiais e praças, servidores públicos de inúmeras áreas, cientistas, educadores, jornalistas, economistas, engenheiros, professores universitários, operários, camponeses, estudantes, artistas, poetas e escritores.

Empresários que não "fecharam" com o golpe civil-militar, inclusive do setor midiático, foram tratados como inimigos e com perversidade. Muitos de seus negócios faliram e tiveram de procurar outro modo de vida, porque, definitivamente, os "novos" donos do poder, a partir de 1964, realmente não se importaram em proteger empresa as quais eles consideravam não alinhadas à nova ordem que conquistou o poder por intermédio de um golpe de estado violento, que colocou as Forças Armadas nas ruas para assegurar que o generais e os empresários, a exemplo de Roberto Marinho, proprietário de "O Globo", não tivessem de enfrentar reações às suas ações golpistas.

Esses coxinhas paneleiros de barrigas cheias, que saem às ruas a vestir camisas de Seleção Brasileira, detestam o Brasil e desprezam seu povo. Na verdade, trata-se de uma tentativa de dissimular e manipular o "amor" que sentem pelo Brasil, quando a realidade, nua e crua, é que a coxalhada odeia o Brasil e o seu povo, porque ama de paixão os Estados Unidos e alguns países da Europa, que hoje visivelmente se percebe que são decadentes. São tão antinacionalistas, que enchem a boca orgulhosamente para chamar o Brasil de País de merda, ao tempo que se submetem e se subordinam aos ditames dos países ricos, porque são realmente pessoas portadoras de incomensurável complexo de vira-lata.

O sistema judiciário-midiático, com fortes vínculos com o PSDB, DEM e aliados, prendeu e sequestrou o presidente mais popular e considerado o melhor mandatário de todos os tempos deste País. O juiz de primeira instância, que calou os juízes do STF e causa medo ao Poder Judiciário em todas suas instâncias, com raras exceções, morde como o tubarão branco. E explico: o peixe mais poderoso e feroz dos oceanos quando ele ataca a presa a morde e rapidamente a solta, para evitar reação e, com efeito, ser ferida. O tubarão deixa a presa sangrar, até ela se desmilinguir em sangue, para depois se alimentar com segurança.

O juiz de primeira instância, Sérgio Moro, o condestável do Paraná, juntamente com os procuradores direitistas e obsessivos com o PT de Lula e Dilma Rousseff, mas jamais com o PSDB de Aécio Neves e Fernando Henrique Cardoso — o Neoliberal I —, não está nem aí para o combate à corrupção. E por quê? Porque se estivesse preocupado ele, certamente, importaria-se em analisar e avaliar de forma séria e justa os desmandos dos tucanos, inclusive do governador Beto Richa, que é denunciado e acusado de cometer inúmeros escândalos de corrupção, bem como seu governo é acusado de massacrar os professores de escolas públicas, dentre muitas outras repressões e abusos de poder perpetrados pelo seu ex-secretário de Segurança, Fernando Francischini, um direitista radical, reconhecidamente violento e disposto a defender, com unhas e dentes, os interesses da casa grande. É o que ele faz e para isso foi treinado.


Uma das mais violentas repressões policiais que um mandatário de Estado da Federação cometeu contra os trabalhadores da Educação na história da República. As imagens, filmes, vídeos e fotos do massacre comprovam o que eu assevero, pois são dantescas e desumanas, pois de uma violência que deixa atônito e comovido até mesmo um cidadão perverso e sem escrúpulos. A violência foi demais e aconteceu em plena democracia, a provar que tem muita gente no Brasil que se lixa para o Estado de Direito. E a mídia de mercado mais uma vez ignorou e acobertou os fatos, pois elitista e corrupta. 

Cansei, por intermédio de meus artigos publicados em inúmeros sites e blogs, que vicejam na internet, de listar os escândalos de corrupção dos tucanos e suas violências, bem como centenas ou milhares de blogueiros progressistas e de esquerda que dessa forma procedem, porque percebem que o Brasil tem uma Justiça, um MP e uma PF que não são republicanos, porque não trabalham a favor dos interesses do povo brasileiro, mas, sim, de grupos políticos e partidários, como o PSDB, cujo objetivo é derrotar e extinguir o PT, derrubar a presidenta Dilma Rousseff e prender o ex-presidente Lula. É visível essa condição e realidade, que a mídia comercial e tais servidores públicos de direita não mais disfarçam e muito menos escondem suas intenções golpistas, que se baseiam na ilegalidade e na arbitrariedade.

Jornalistas profissionais de esquerda ou simplesmente cidadãos que se tornaram possuidores de blogues ou sites se expressam pela rede mundial e discordam frontalmente da imprensa da casa grande e de seus aliados da Justiça, do MP e da PF, a exemplo dos juízes Sérgio Moro e Gilmar Mendes, dos procuradores Carlos Fernando Santos Lima, Deltan Dallagnol e Cássio Conserino, além dos delegados incrivelmente aecistas, em plena campanha eleitoral de 2014, quando em serviço se aproveitaram de suas funções e cargos para avacalhar, por meio de seus facebooks, a presidenta Dilma e o ex-presidente Lula.

A pretensa delação do senador Delcídio Amaral serviu como rastilho de pólvora para que Sérgio Moro e sua tropa de "intocáveis" de cinema de Hollywwod se mobilizassem para prender o presidente Lula, que deveria ter ido para Curitiba e não ficar em Congonhas para depor aos policiais partidários e de direita da PF. Moro queria Lula de preferência incomunicável, até porque no Brasil as sucessivas informações em forma de delações sobre a Operação Vaza Jato chegam primeiro na imprensa de mercado, que fica a saber de tudo primeiro do que os advogados dos acusados e presos, muitos deles trancafiados sem terem sido objetos de processo e de condenação por parte da Justiça burguesa, que há mais de cinco séculos atende aos interesses dos ricos em detrimento da maioria do povo brasileiro e do próprio País.

Jornalistas da Globo chegaram primeiro que a PF ao prédio de Lula em São Bernardo. Se são os procuradores, os juízes e os delegados da PF que tratam de investigações, de prisões e delações da Vaza Jato, então, chega-se à conclusão que são eles e mais ninguém que vazam ou repassam as informações, que se transformarão em "acusações" e "julgamentos" em forma de notícias e manchetes. Sendo que as pessoas que são responsáveis pelos linchamentos, imolação, empalação e açoite em praça pública, concretizados na desmoralização e destruição de reputações alheias, são os jornalistas de direita e de confiança dos magnatas bilionários de imprensa, donos das máquinas de desqualificação moral e de desconstrução de imagens dos que são considerados seus inimigos.

As máquinas de destruição da moral e de reputações alheias têm nomes e são conhecidas pelo público como Rede Globo, O Globo, CBN, Globo News, Extra, Rádio Globo, Valor Econômico, G1, Jovem Pan, Rede Bandeirantes, SBT, Rede TV, Época, Veja, IstoÉ, Zero Hora, Correio Braziliense, Folha de S. Paulo, Estadão, Estado de Minas e a maioria dos meios de comunicação impressos e radiofônicos do nordeste, do norte e do centro-oeste. Trata-se da grande mídia de direita nas mãos dos verdadeiros donos da casa grande associados ao mercado financeiro, setor que domina o mundo e financia todas as guerras e a destruição de quem ousa e se atreve a enfrentar a plutocracia internacional, que tem no Brasil como sua mais importante representante a família Marinho, além dos banqueiros dos grande bancos privados brasileiros.

O juiz de primeira instância, Sérgio Moro, sabe o que faz. Sempre soube. Ele e seus associados do sistema judiciário de direita resolveram fazer política no lugar do PSDB, bem como tomaram a frente de batalha no que concerne até então ao papel da imprensa alienígena. Sérgio Moro age como um tubarão. Ele mordeu e esperou para ver o tamanho do sangramento e qual seria o grau de reação dos apoiadores e aliados de Lula e do PT, organicamente disseminados pela sociedade. O tubarão morde e solta para depois retornar e acabar com sua vítima, indelevelmente, enfraquecida. Agir assim é de sua natureza.

Acontece que tem presas que não são dadas a vitimizações e nem as aceitam passivamente. É o caso de Lula, que vai lutar para provar que o "ladrão" não é ele, mas, evidentemente, que são outros e diferentes atores da política e do empresariado, que desejam destruir o PT e suas lideranças, tomar o poder e, rapida e urgentemente, dar início ao engavetamento de processos, como ocorria no Governo FHC, cujo procurador-geral, Geraldo Brindeiro, era apelidado de engavetador-geral. Moro não combate o bom combate. O juiz de primeira instância se aproveita de seu cargo e função como se fosse um agente público de um estado paralelo.

Sérgio Moro não combate a corrupção. Se a combatesse de verdade e de forma republicana o juiz de primeira instância mandaria prender também os demotucanos. As ações da Vaza jato são visíveis, perceptíveis, como processos seletivos, partidários, e, consequentemente, injustos. Moro tem de compreender que existem também outros tubarões. A Vaza Jato nunca se preocupou com o combate à corrupção. Quem tem lado não é republicano. Se avaliarmos as estrepolias do pessoal do Paraná, Moro elegeu Lula quase três anos antes. É isso aí."

FONTE: escrito por Davis Sena Filho, editor do blog "Palavra Livre"   (http://www.brasil247.com/pt/colunistas/davissena/220268/Moro-%C3%A9-como-tubar%C3%A3o-primeiro-morde-e-se-percebe-sangue-e-fraqueza-ele-mata.htm).

2 comentários:

Jonas Carvalho disse...

Parabens, Davis Sena Filho, pelo lucido artigo sobre o tubarão Moro.Perfeitas e completas suas considerações.Como pode haver pessoas intelectualizadas que não percebem o obvio ?
O Moro declarou recentemente,sem pejo e cinicamente, que não tem nenhum vinculo direta ou indiretamente com qualquer partido politico.Sua atuação nos processos da chamada Lava-jato eh seletiva e nitidamente partidaria(em favor do PSDB e Aecio). Eu, advogado ha 50 anos,acredito que suas sentencas condenatorias serao todas reformadas no TRF ou nos tribunais superiores.

Tereza Braga disse...

Ao Jonas Carvalho,
Moro, antes de iniciar a Lava Jato, já antecipou que copiaria a "Mani Pulite" italiana, voltada à derrubada "do governo central". Assim, por concepção, a Lava Jato, dissimuladamente ou não, visa a varrer da política Dilma, Lula, o PT e seus aliados. Os demais "não vêm ao caso".
Maria Tereza