sexta-feira, 21 de agosto de 2015

ATÉ A TUCANA "FOLHA" APONTA O LOUCO DELÍRIO E O RADICALISMO DO ATO NA AV. PAULISTA




[ATÉ A TUCANA "FOLHA"] (MARCELO COELHO) CRITICA RADICALISMO E DELÍRIO DE ATO NA PAULISTA

Colunista da [tucana] ‘Folha de S. Paulo’, Marcelo Coelho descreve ‘maluquices’ dos manifestantes no protesto contra o governo Dilma no domingo. “O que ouvi estava carregado de radicalismo, oscilando entre o delírio e a desinformação

Do "Brasil 247" 

Ao caminhar pela manifestação contra o governo no domingo pela Avenida Paulista, o colunista da [tucana] ‘Folha de S. Paulo’ Marcelo Coelho relata que o que ouviu “estava carregado de radicalismo, oscilando entre o delírio e a desinformação”.

Segundo ele, não está errado dizer que, nos protestos contra Dilma, a classe média (alta) concorreu em peso. “Minha surpresa foi verificar a idade avançada de quem estava por ali”.

Entre outras coisas, ele descreve que ouviu um plano [do PT] para "unificar a América do Sul numa espécie de república socialista única", recebeu um folheto defendendo a intervenção "legítima" das Forças Armadas, uma vez que "todos os políticos são corruptos".

Mello apoiando a expulsão de um colega do STF? Janot, pelego? Dilma, "comunista"? Com Joaquim Levy? E como sair com uma placa dizendo "menos Marx, mais Mises", quando todo o governo Lula teve Henrique Meirelles no Banco Central? É muita maluquice. É "trash’", destaca (leia mais aqui ou a seguir).

Por MARCELO COELHO [na tucana "Folha de São Paulo"

A voz das ruas

"O que ouvi domingo passado na Paulista estava carregado de radicalismo, delírio e desinformação

Acompanhei um pouco das manifestações de domingo passado pela "GloboNews", admirando como sempre o trabalho de comentaristas como Renata Lo Prete e Gerson Camarotti.

Mas é difícil, mesmo com todo o clássico "esforço de reportagem", ter uma ideia real dos acontecimentos pela televisão. Por longos minutos, mostra-se apenas a vista aérea do lugar. As cabecinhas parecem paradas, só se notando, aos poucos, o deslocamento de um bandeirão verde-amarelo.

Ao rés do chão, tudo fica pior. A pobre repórter tem de berrar no meio das buzinas; diante da câmera, os manifestantes se comportam como uma torcida, ou como foliões de carnaval. Querem gritar suas palavras de ordem, ou nem isso – apenas acenar e tocar suas vuvuzelas.

O relato do protesto fica empobrecido. "Já podemos ver, fulano, que a multidão aos poucos se concentra aqui na frente da Fiesp..." E o âncora só pode responder que "é isso aí, beltrana, vamos agora para Fortaleza..." A TV fica chatíssima, vira uma espécie de projetor de slides, e haja imaginação dos comentaristas para continuar elaborando raciocínios sobre o tema. Achei melhor, então, ir até a Paulista eu mesmo.

Entre parênteses, observo que, neste período de combate à corrupção e de enaltecimento das autoridades jurídicas, acabo de ter cassada minha carteira de motorista.

Tenho direito, como qualquer mensaleiro, a uma série de recursos ainda. Como tantos políticos e empresários, argumento também que não sou nenhuma ameaça à segurança pública; feri apenas as regras do rodízio, passei a 66 km por hora diante de um radar que só aceita até 50, esse tipo de coisa.

Eis que a carta fatídica do Detran me chegou às mãos no mesmo dia em que José Dirceu era preso novamente. Cumpra-se a lei, portanto.

Há recursos, há recursos, todos honestos. No despachante, me asseguraram: não existe "plano C", entendendo-se por aí, imagino, o C de Corrupção. Fiquei feliz com isso. Reaprendo a andar a pé.

Cheguei firme e forte aos altos da Paulista, no domingo, para reparar a quantidade de gente mais velha do que eu, pisando duro no asfalto seco. Não está errado dizer que, nos protestos contra Dilma, a classe média (alta) concorre em peso; minha surpresa foi verificar a idade avançada de quem estava por ali.

Claro que nem todos, ali, eram radicais ou defensores da volta dos militares ao poder. Pode ser que os extremistas chamem mais a atenção, não sei. O que vi à minha volta, entretanto, estava carregado de radicalismo, oscilando entre o delírio e a desinformação.

Um carro de som, é verdade que não dos principais, falava de um plano [do PT] para unificar a América do Sul numa espécie de república socialista única. A oradora conclamava os passantes para que comprovassem, em não sei que site da internet, a existência da conspiração.

Ando mais dois quarteirões e recebo um folheto defendendo a intervenção "legítima" das Forças Armadas, uma vez que todos os políticos são corruptos. Um grande caminhão, perpendicular à Paulista, parece reunir grupos diversos, e nesse ponto mais gente se concentrava. O que diziam os oradores?

Coisas malucas, em boa parte. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, era acusado de "peleguice". Afinal, só está "prendendo empresários", e não políticos. Quem dizia isso não era alguém da "massa", era uma "liderança" do movimento, ignorando que o Ministério Público acusa, mas não prende, e que Janot foi um algoz dos mensaleiros. Outro orador pega o microfone para defender "o impeachment de Toffoli"; o caso, diz, terá de ser decidido no próprio Supremo Tribunal Federal, e está nas mãos de Celso de Mello.

Mello apoiando a expulsão de um colega do STF? Janot, pelego? Dilma, "comunista"? Com Joaquim Levy? E como sair com uma placa dizendo "menos Marx, mais Mises", quando todo o governo Lula teve Henrique Meirelles no Banco Central?

É muita maluquice. É "trash".

Não há de ser o pensamento de centenas de milhares de brasileiros indignados com a corrupção, acho eu. No Facebook, aparecem entrevistas com pessoas que participaram dessa e de outras passeatas. A TV Carta Capital mostra muita divergência dos manifestantes a respeito da terceirização ou do papel de Eduardo Cunha no escândalo.

"Fora Dilma", "fora PT", dizem todos; mas é preciso chegar mais perto para ouvir quem vocifera menos."

FONTE: escrito por MARCELO COELHO [na tucana "Folha de São Paulo"]. Transcrito e comentado no portal "Brasil 247"    (http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/193482/Marcelo-Coelho-critica-radicalismo-e-del%C3%ADrio-de-ato-na-Paulista.htm).

2 comentários:

iurikorolev disse...

Presidente inaugurou nesta sexta-feira 21, no município de Cabrobó, em Pernambuco, a primeira Estação de Bombeamento do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco, que vai oferecer segurança hídrica para 12 milhões de brasileiros em 390 municípios do Nordeste; Dilma Rousseff elogiou a determinação do ex-presidente Lula em executar a obra e disse que a transposição estará totalmente pronta em dezembro de 2016; segundo ela, "precisou que um nordestino fosse eleito presidente" para que a obra fosse realizada; "Fizemos um grande esforço para garantir que o Brasil tivesse uma pobreza menor e que não tivesse miséria. Esse projeto faz parte dessa visão de reequilibrar o País", discursou, destacando ainda que "quem luta e quem consegue é o povo"

Tereza Braga disse...

Ao Iurikorolev,
Ótima notícia. Obrigada. Postarei no blog esse assunto amanhã.
Maria Tereza