sábado, 22 de agosto de 2015

VÍDEO DA DENÚNCIA: JUIZ MORO TEM SALÁRIO (R$ 77 mil) MAIOR QUE O DOBRO DO MÁXIMO PERMITIDO PELA CONSTITUIÇÃO

"O 'Conversa Afiada' reproduz [vídeo acima] impressionante discurso do deputado Wadih Damous, do PT do Rio


Vídeo bomba: Damous sobre Moro


[Como o Juiz Moro e sua equipe gostam do estrelismo, eles devem ter adorado os holofotes da mídia sobre os seus contracheques]


R$ 77 mil e "vai salvar o Brasil"...


O 'Conversa Afiada' reproduz a seguir notícia publicada no site do PT na Câmara:

WADIH DAMOUS: SÉRGIO MORO, QUE PROMETEU PASSAR BRASIL A LIMPO, TEM SALÁRIO DE R$ 77 MIL

"O deputado Wadih Damous (PT-RJ) criticou na quinta-feira (20), na tribuna da Câmara, juízes e integrantes do Ministério Público que estão descumprindo o art. 37 da Constituição Federal, recebendo vencimentos acima do teto salarial. “E, para a nossa surpresa, na relação de juízes, desembargadores e membros do Ministério Público que percebem acima do teto, está o nome do 'insuspeito' juiz Sérgio Moro, esse mesmo, que prometeu limpar o Brasil da corrupção, que prometeu passar o Brasil a limpo”, ironizou.

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, segundo Wadih Damous, tem recebido nos últimos meses acima do teto, que é limitado ao salário do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), hoje em R$ 37,4 mil. “O paladino da moral, que promete limpar o País da corrupção, recebe em média R$ 77 mil por mês, quase o dobro do teto. Acredito, então, que a limpeza deveria começar pela remuneração desses juízes e desembargadores que percebem acima do teto constitucional, em manobras que não fazem bem à democracia e à moralidade”, criticou.

O deputado Wadih Damous destacou que as informações que o mundo jurídico já conhecia, sobre o descumprimento do teto salarial na magistratura, foram publicadas na última semana, no site "Consultor Jurídico", especializado em questões ligadas ao Direito, ao Judiciário e ao Ministério Público. “A matéria mostra que muitos juízes e desembargadores percebem acima do teto. Na verdade, o texto sintetiza de forma clara que o teto virou piso. Isso graças a expedientes de criação de penduricalhos do tipo auxílio-moradia, auxílio- táxi, auxílio-educação, auxílio isso, auxílio aquilo” enfatizou.

O deputado Damous disse que essa prática é inadmissível. “É um verdadeiro acinte moral essas verbas serem pagas de maneira disfarçada, como se fossem indenizações e, por isso, não estarem sujeitas à parcela única ou ao teto remuneratório”, criticou.

A matéria do site "Consultor Jurídico" cita que no caso do Ministério Público Federal, existem procuradores com remunerações de R$ 48 mil. Outros, com atuação em segundo grau, que ganham quase R$ 65 mil por mês."

FONTE: do portal "Conversa Afiada"  (http://www.conversaafiada.com.br/tv-afiada/2015/08/21/video-bomba-damous-sobre-moro/). [Título e trecho entre colchetes acrescentado por este blog 'democracia&política'].

5 comentários:

iurikorolev disse...

MT, o problema principal do Brasil que ninguem quer ver é o salário dos servidores em geral.
Um roubo de dinheiro público legalizado.
A população trabalhando para pagar os salários desta casta.
A população tem que dar um basta !

Tereza Braga disse...

Ao Iurikorolev,
Realmente, a população deve dar um basta em muita coisa errada.
Se os salários da iniciativa privada estão mais baixos que os do setor público (não creio), é por conta da ganância dos empresários sonegadores. Além de roubarem dinheiro público dos impostos que não pagam corretamente, ainda achatam os salários dos seus empregados. O trágico é que muitos desses assalariados, por sua vez, também sonegam naquilo que conseguem, mentindo ou omitindo em suas declarações à Receita Federal. Assim, somando tudo, é sonegado (dinheiro público roubado) mais de R$ 500 bilhões por ano, segundo o sindicato dos Procuradores da Fazenda Nacional.
Maria Tereza

iurikorolev disse...

Esses dados de sonegação são estapafurdios segundo entrevista que vi certa vez do próprio chefe da Receita Federal.
Pior que nas entrelinhas parece que vc concorda com esses salários absurdos do setor público em que um pedreiro ganha 20 vezes menos do que uma bibliotecária de tribunal.

iurikorolev disse...

MT tem jeito de eu ser notificado por email das respostas neste seu site ?

Tereza Braga disse...

Ao Iurikorolev,
Primeiro, você está enganado na sua depreensão. Não concordo com esses ilegais salários de marajás muito acima do limite máximo constitucional, abundantes especialmente nos poderes judiciário e legislativo.
Segundo, não tenho fôlego para, neste blog do "eu sozinha" com rendimentos "zero', proporcionar também o serviço de remessa de comentários para leitores.
Terceiro, acredito que tanto os números do "impostômetro", quanto do "sonegômetro" são estimativas baseadas em um limitado universo representativo escolhido. É o mesmo caso das pesquisas eleitorais, sempre contestáveis por alguns.
Maria Tereza