terça-feira, 5 de janeiro de 2016

EMPRESA BRASILEIRA É UMA DAS TRÊS PRINCIPAIS DO MUNDO EM TRENS DE POUSO



Eleb se torna uma referência mundial em trens de pouso

Por Virgínia Silveira, no jornal "Valor" 

"A trajetória da 'Eleb Equipamentos', fabricante de trem de pouso controlada pela Embraer, é um dos exemplos bem sucedidos da estratégia da fabricante brasileira de que o investimento em inovação e tecnologia de ponta garante o diferencial competitivo necessário para continuar sendo uma das três mais importantes empresas do mundo na aviação. A partir do desenvolvimento dos trens de pouso do jato de transporte militar KC-390, a Eleb passou a dominar todo o processo de desenvolvimento dos trens de pouso de um avião.

"Em termos de competência tecnológica, a Eleb se tornou uma das três principais fabricantes de trens de pouso do mundo", afirma o diretor da empresa, Luís Marinho. Atualmente, segundo o executivo, existem mais fabricantes de aviões no mundo do que de trens de pouso. Com novos investimentos em capacitação tecnológica, a Eleb atingiu o mesmo nível das gigantes desse setor - a americana Goodrich e a francesa Messier Dowty.

Um detalhe que chama a atenção é o fato de que com a Eleb a Embraer também se tornou a única empresa entre os grandes fabricantes de aeronaves (Airbus, Boeing e Bombardier) capacitada não só para o desenvolvimento de trens de pouso, mas também de outros sistemas envolvidos, como válvulas e atuadores.

O diretor da Eleb estima que, nos últimos dois anos, a empresa recebeu investimento da ordem de US$ 10 milhões para se capacitar no desenvolvimento dos novos programas do KC-390 e da nova família de jatos comerciais E-Jets E-2. Com esses programas, os trens de pouso da Eleb passaram a utilizar metais mais resistentes, como o titânio e o aço.

"Até os jatos comerciais E1, a Embraer só trabalhava com alumínio. Cerca de 70% a 80% do KC-390 e do E2 usam titânio e aço", explicou. O processo de usinagem desse tipo de material, segundo Marinho, é bem mais complexo que o do alumínio, o que exigiu investimento importante na compra de maquinários e na formação dos profissionais da empresa. "Foi um grande salto tecnológico para a empresa", afirmou.

Os novos desafios tecnológicos da Eleb também incluíram os fornecedores da cadeia aeronáutica brasileira, que foram capacitados pela empresa para trabalhar com a usinagem de novos materiais. "O ganho de conhecimento e de tecnologia também trará benefícios para os nossos fornecedores, que estarão capacitados para exportar produtos e serviços de maior valor agregado", destacou o diretor da Eleb.

A Embraer ocupa hoje mais de 80% da capacidade de produção da Eleb, com o desenvolvimento do KC-390 e dos jatos E2, além do fornecimento dos trens de pouso dos jatos executivos da família Phenom, do Legacy 600/650 e do Supertucano. Entre os negócios voltados para o mercado externo, o diretor da Eleb destaca o fornecimento do sistema completo do trem de pouso do helicóptero S-92 da americana Sikorsky e de peças de reposição para companhias aéreas que utilizam os produtos da Embraer no mundo.

As exportações respondem por 40% da receita da Eleb, que em 2014 alcançou US$ 100 milhões. Nesse percentual, está incluído o fornecimento de trens de pouso para a Sikorsky e para os aviões que a Embraer monta na China e nos Estados Unidos. A Eleb possui 600 funcionários.

A fábrica da empresa em São José dos Campos impressiona pelo maquinário moderno e de alta tecnologia. Alguns equipamentos, como a máquina de "drop test", que simula todas as condições de pouso de uma aeronave, foram desenvolvidos pela própria Eleb. "Só duas empresas no mundo possuem essa máquina. É um desenvolvimento tecnológico extremamente complexo que não está disponível para ser comprado no mercado", ressalta o diretor da empresa.

O gerente de engenharia da Eleb, Vladimir Taucci, explica que com 17 metros de altura e 100 toneladas, a máquina de "drop test" tem capacidade para testar o funcionamento de trens de pouso de aeronaves de até 150 toneladas de peso. "Estamos preparados para testar as próximas gerações de aeronaves da Embraer", comentou.

Outro equipamento de ponta desenvolvido na Eleb simula a operação do trem de pouso em condições extremas de pressão e temperatura (desde 57 graus negativos até 90 graus positivos). Na fase de desenvolvimento do avião, os ensaios de resistência dos trens de pouso podem durar de dois a três anos.

"Em geral, é preciso fazer testes que simulam até 80 mil ciclos de operação do trem de pouso, o equivalente a 20 anos de operação da aeronave, mas nossos ensaios simulam a operação do avião para até 100 anos", disse o gerente da Eleb.

A precisão requerida na operação de um trem de pouso é extremamente apertada. "Somente com muita competência de engenharia conseguimos atingir esse nível de precisão. A capacidade que a Eleb conseguiu para conceber, fabricar e exportar trens de pouso competitivos é uma conquista muito importante para a Embraer e para o país", ressaltou o diretor Luís Marinho.

Fornecimento para fábrica do Super Tucano nos EUA

Fundada em 1984, como divisão de equipamentos da Embraer (EDE), a Eleb iniciou suas atividades com a fabricação, sob licença, dos trens de pouso do caça AMX para a Força Aérea Brasileira (FAB). A experiência adquirida com o programa binacional AMX (feito em parceria com a Itália) capacitou a Eleb para atuar nesse mercado e posteriormente ser a fornecedora do sistema completo de trem de pouso de outro importante programa militar da Embraer, o Super Tucano.

"Exportamos os trens de pouso do Super Tucano para os aviões que estão sendo montados na fábrica de Jacksonville, Flórida, Estados Unidos, e também para todos os clientes externos da aeronave no mundo", comentou o diretor da Eleb, Luís Marinho.



Entre 1999 e 2008, a Eleb compartilhou o desenvolvimento e a produção do trem de pouso dos jatos comerciais da Embraer com a alemã Liebherr. As duas empresas trabalharam juntas no desenvolvimento dos trens de pouso da primeira família de jatos regionais da Embraer o ERJ145 e ampliaram a parceria com o programa da família 170/190, quando formaram uma joint-venture.

A Liebherr, segundo Marinho, ficou responsável por fornecer o trem de pouso principal dos jatos 170/190 e a Eleb pelo trem de pouso auxiliar ou de nariz. "A partir do KC-390, a Embraer tomou a decisão estratégica de assumir por completo o desenvolvimento do programa e comprou os 40% da Liebherr na joint-venture", disse.

Com o foco no que considerou seu grande desafio tecnológico, o desenvolvimento do sistema completo de trem de pouso do KC-390 e posteriormente dos jatos E2, a Embraer decidiu contratar os trens de pouso dos jatos executivos Legacy 450/500 de um fornecedor externo. A canadense Heroux-Devtek foi a fabricante selecionada para fornecer os trens de pouso principal e de nariz dos jatos."

FONTE: escrito por Virgínia Silveira no jornal "Valor". Transcrito no portal da FAB  (http://www.fab.mil.br/notimp#n96943).

3 comentários:

BRASIL ESPÉRANÇA edson tadeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BRASIL ESPÉRANÇA edson tadeu disse...

reportagem boa mais nao passo a frente,quanto mais isso ficar escondido de americanos sabotadores melhor para a ELEB,melhor parao Brasil, porque eles vao fazer de tudo para sabortar a empresa brasileira.isso ja aconteceu nos tempos de FHC com a industria de calçados de Franca, e com muitas outras industrias que deram entrevistas a rede globo,aquilo parecia uma simnples entrevistas, mais diretamente a globo passava informaçoes de empresas brasileiras que estavam dando certo. e com poucos meses nós vimos a industria de calçados em franca desabar. Por isso mesmo os brasileiros precisam fazer o que eles fazem, nunca dao entrevistas sobre essa ou aquela empresa que desponta principalmente as que sao de interesses estrategico para o país

Tereza Braga disse...

Ao Edson Tadeu,
Talvez seja exagero, ou cuidado inócuo, inclusive porque a ELEB fornece para os EUA. Mas, de modo geral, em se tratando de americanos e brasileiros americanófilos, todo cuidado é pouco.
Maria Tereza